terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Branco Branco Branco

  Sonhos que perdem a leveza. 
Agonia que não tem fim.
Borboletas que não cabem no estômago.
Ansiedade, ansiedade até setembro eis que tudo é sonho em meio a pesadelos.
Ansiedade.
Estaremos juntos felizes unidos e reunidos para comemorar esse momento ímpar.
Não preciso da pompa e circunstância preciso de paz.
Preciso respirar, dançar fica para para uma outra oportunidade.
O grande dia se aproxima e agora sim, eu tranquila. 





 


quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Retornando



Abandonado ? Não , não, não. 
Ou será que sim ? 
Sim. É sim .
  Não adianta negar de fato foi um abandono.

 Vários e vários textos foram escritos em pensamentos. Mas a água de cada banho lavava e levava-os ralo a baixo, não sobrou muito de tantos textos interessantes.
Muito se passou, entre dias e noites. Várias histórias foram pensadas, vividas, sonhadas mas infelizmente não compartilhadas.
Esse mundo aqui é meu. Aqui minhas dores viram poesia as lágrimas compõem a eterna parceria de dores, alegrias, textos e sintonia .
Deixei de lado muitas vezes,  já disse que seria mais cuidadosa e como sempre me boicotei.
Agora é na verda, pra valer.
Mundinho, Mundinho meu diga para todo o mundo que novamente eu voltei.


sexta-feira, 4 de outubro de 2013

As palavras dela...

Ela escreveu, uma história de sua vida, mas se eu a copiar estarei descrevendo uma minha. 
Suas palavras certeiras tocam todo meu ser,despertam-me... 
 É incrivelmente gostoso poder compartilhar ...

"E basta fechar os olhos para que a visão turva e negra, tornar-se memória viva, com traços e marcas da experiência vivida desenhada com perfeição bastante para sentir o cheiro do seu respirar, do seu sorrir, do seu piscar, cada palavra sua ecoa de forma perfeita e chega direto em meu coração, fechar os olhos e sentir entre meus dedos o toque suave de cada fio macio do seu cabelo bem cortado, notar a presença dos seus dedos e sentir o arrepio que vem de algum lugar que não conheço, de bem dentro de mim, fazendo meu coração disparar, minha pele arrepiar, minha pupila dilatar e fazer com que eu me dê conta que estou viva, que é na verdade você a chama que me mantém acesa. E mesmo não sendo sua, você me tem sempre que me vem e cada chegada sua já é dolorida, por que sei que terá que ir, que na verdade não chegou e sem saber se volta algum dia. Cada vez que te encontro é como se fosse uma despedida e, como se todo o resto do mundo apertasse o "pause" e só eu sentisse o sopro do vento que bate no meu rosto, levantar os pés para te abraçar me faz querer te colocar dentro do meu mundo, te mostrar que você vive aqui comigo em cada minuto do meu longo dia.
   Recordações que me fazem lembrar que eu não vivo sem você, eu apenas sobrevivo. Estar sem você é o contar exato de cada tic tac do relógio, é o vazio das 3 horas da manhã, é a melancolia do final do domingo, é o dia triste em sábado de sol, é o dirigir sem destino, é o escutar sem ouvir e é o viver sem sentir.
   Levou tudo de mim no momento que partiu, mesmo que nunca tenha chegado de verdade, mesmo não sabendo a minha cor preferida, o meu melhor livro, não conhecer o meu verdadeiro rosto ao acordar e não saber o brilho dos meus olhos quando falo de amor.
   Levou tudo, como leva aqueles furacões com nomes de mulheres, sem perspectiva de reconstrução, sem data para voltar a crescer uma árvore. O terreno ficou com dunas onde nada cresce e nada floresce. Você causou perda total, destruiu o que estava sendo construído antes de acabar a obra, deixou cacos espalhados pelo caminho, fazendo com que cada tropeço me lembre ainda mais de nada que virou meu tudo. No meu rosto eu vejo todas as manhãs as cicatrizes que a sua falta me deixou e tudo que venho fazendo é no controle automático, sorrir, falar, andar e viver.
   Venho correndo de músicas, de lugares, de caminhos que me trazem você de branco com as mangas dobradas e de barba bem feita, correndo da sensação de sentir seu cheiro no meio do dia, da vontade de sentar no meio da rua e gritar  para ver se alguém nota que tudo está em migalhas, que tudo está parado no meio do caminho, que aquela minha cor já não colore e que meu céu mudou no dia em que você levou o azul da minha vida."

Por aluap  

domingo, 7 de julho de 2013

Intuição


Ela sentiu o gosto amargo novamente.
Com a cabeça cheia, mas tão cheia, que sequer tinha espaço para mais uma vírgula ela tentou ser racional e não fazer comparações. Não foi possível.
Comparou.
Recordou certos momentos dolorosos que jurou jamais permitir chegar a tal ponto. A nostalgia a fez fechar os olhos e neste instante sentiu se fraca.
Chorou baixinho enquanto o tremor de seu corpo ficava cada vez mais intenso.
Os pensamentos sombrios, negativos, derrotildos se fortificavam enquanto a luz de sua sensatez aos poucos reduzia.
A Balzaquiana ingênua não reagia.  Ela não reagirá.
O coração esta seriamente comprometido. O quadro pode ser irreversível.
 O aperto no peito que lhe agoniava foi diagnosticado como excesso de intuição.
 Seus olhos não vêem seus ouvidos não ouvem, mas de alguma forma ela sente, sente que o perigo esta próximo. Não sabe qual o perigo e tão pouco a origem.
Percebe um FIM

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Reciclar


  Queria eu que o papel que aquela pessoa, representou em sua vida fosse reciclado. Reciclado no sentido de ser transformado. Que definitivamente tivesse outra importância, cor, sensibilidade, tom, textura.  Que aquele papel um dia importante, por tudo que representou, fosse de fato modificado.
Ah como eu queria que tudo que restou fosse levado pelo caminhão da coleta seletiva.
Não entenda como sendo lixo, o papel representado anteriormente, as recordações impressas e tudo mais físico que ficou. Percebo tudo isso, como itens desnecessários que ocupam espaço importante. Não são caracterizados como lixo.
  Não quero a anulação de tudo que foi vivido. Tenho convicção de que o passado  é importante e precisa ser respeitado. Mas o excesso de passado, não é útil para o presente.
Desfaça dos excessos.
 Queria eu que depois de um tempo, o caminhão devolvesse varias caixas vazias, ou cheias de papel. Papel  em branco para ser escrita uma nova história ou serem impressas novas fotos.
Queria eu, que tivesse vc vontade de desocupar, todo o espaço que a presença desse ser ainda ocupa.
  Ah como eu queria  que colocasse tudo em varias caixas e deixasse para ser recolhido. Que não se preocupasse em deixar nada para trás. 
Não tenha medo.Embale tudo e coloque para ser recolhido. Tenho certeza que caberá em um único caminhão.
 Permita que a renovação aconteça.
Há novos papeis esperando oportunidade.
  É... acredito que ando com muito querer, cheia de vontades que aparentemente são demasiadas... Mas é uma vontade demasiadamente sincera.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Seguir

(Imagem Internet)

O espaço que tens ocupado ultrapassa o limite de segurança.
Sinto cheiro perigo.
Como saber se em sua vida ha espaço para uma outra pessoa. 
Pessoa eu, cheia de defeitos, medos, carência, desejos, manias, sonhos, vida, cheia de vida...
Quero dançar com você.
Segurar sua mão e sentir que também segura a minha e tens a outra livre.
Quero colocar a cabeça em seu peito, sentir seu coração bater e ter a certeza que ele não bate forte por outra pessoa.
Quero hoje, que o compasso dessa dança não siga o ritmo dos passos que não são os meus.
Quero seu abraço, carinho, atenção e total dedicação.
 Em sua história houve dedicação a uma certa pessoa  que com muito carinho era chamada de Amor, e agora?  
O amor foi embora ou assim como a lua, apenas cedeu espaço para o sol e ambos dividem o mesmo céu, cada um com seu tempo...
 Eras de fato "Amor" o Amor de tua vida? Ou apenas um ser chamado Amor ?
A importância do presente não é superior ao passado mas a esperança de uma vida plena é o que motiva a não viver do que já se foi ...

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013


 E no meio da noite mais um encontro com o medo.
Com o coração apertado, o sono deu espaço a angustia.
As horas durante esta noite mais pareciam, que eram compostas por dias e não por minutos.
 Durante um tempo busquei encontrar o tão sonhado sono. Foi em vão. Permaneci acordada vivendo um pesadelo.
Falei com Deus e Nossa Senhora, pedi para cuidarem, protegerem e guiarem os paços do Caçulinha. Não entendo sobre os mistérios que separam a vida do após a vida e por conta disso, estranhamente quando estou angustiada, ele é a primeira pessoa em quem penso e sempre peço para que ele esteja bem...
As primeiras horas da manhã trouxeram consigo o alivio, o dia começou.
 O corpo não seguiu o ritmo do inicio do dia, em estado de total falta de coragem permaneci ali, imóvel incomunicável sem vontade de absolutamente nada. A não ser a imensa vontade de não sentir vontades  e de ali continuar...

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Ligações


 Uma ligação que vai além de ligações telefônicas. Pois estas por vezes não acontecem, ficam na eminência na vontade no quase.
Não me recordo, do primeiro dia em que passou a ser importante em minha vida, mas sua presença mesmo que não física tem muito valor.
Ah como eu queria ter uma máquina, para revelar todas as imagens que tenho guardadas em um compartimento da minha caixa encefálica reservado para arquivos vividos. Tantos e tão especiais, tenho medo de que o tempo estrague-os ou mesmo delete-os.  
 Temos afinidade mesmo não compartilhando sempre dos mesmos pensamentos.
Não posso falar de apenas uma pessoa quando tenho As melhores amigas ...


sábado, 12 de janeiro de 2013

Sonhos




 Vida nova em um novo ano.
Mais 365 dias creditados a todos nós que ainda somos agraciados com o dom de viver.  
A vida segue em seu curso e a continuidade do ano anterior segue o caminho em busca de novas conquistas, planos, objetivos, sonhos, cores e novos sabores.
E nesse novo tempo as cores antes opacas podem ser vibrantes, sabores esquecidos poderão novamente tornarem-se frescos na memoria, sonhos perdidos serem reencontrados, borboletas que não mais existiam agora podem voltar a brincar, pessoas amadas, dessas,  perto, pertinho quero ficar.
  Ainda não sei, que mágica é essa  que acontece quando um olhar encontra o outro. Eis que fico doce, boba, alegre, bonita como noite de luar. sorriso fácil...
Sonhos, pobres sonhos um dia foram sufocados, reprimidos impedidos de quem sabe um dia realidade tornar.
Ao olhar o que ficou para trás as imagens tomam formas diferentes e o que causava dor, já não trás nenhum desconforto. Os dissabores  que na memória acompanhavam  já não são amargos,  pois a realidade é de uma doçura capaz de  transformar fel em puro mel .
 Em meio a dor, promessas foram feitas. Agora olhando as cicatrizes novos projetos podem ser traçados com cautela e esperança de um futuro melhor.
Vida nova a quem tem sede de viver...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sabores ...

A acidez de minhas palavras, nada mais são que o fruto de dissabores, de conversas indigestas, pessoas sem graça e de situações tediosas...

Equilíbrio é a palavra chave.

Não se pode ser extremamente doce assim como não é necessário ser amargo sempre. Enfim doce de mais dá náuseas.